top of page
Buscar
  • Revista Siga

Clínica de Diálise de Volta Redonda amplia atendimentos pelo SUS


A Clínica de Diálise de Volta Redonda (CDVR), localizada no bairro Retiro, ampliou o número de atendimentos a pacientes com problemas renais crônicos pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Nos últimos meses, o local que atendia cerca de 160 pacientes passou a beneficiar 179 pessoas. A maioria, moradores da região que graças a oferta do serviço não precisam ter que viajar para realizar o tratamento.


A diretora médica responsável pela clínica, Érica Borges, destacou que além da verba federal, a unidade conta com uma remuneração extra vinda do governo estadual, chamada de cofinanciamento, com base nos indicadores assistenciais da clínica que refletem o bom tratamento aos pacientes, como, por exemplo, o número de pessoas encaminhados para o transplante.


“Como nossa clínica tem ótima performance nestes indicadores, a prefeitura nos repassa esse valor. O compromisso da prefeitura em repassar esse valor em dia é o que garantiu a nossa capacidade de abrir essas novas vagas para realizar o atendimento pelo SUS", afirmou Érica.


Crescimento no número de pacientes

A médica explicou que o número de pacientes renais crônicos vem aumentando de forma acelerada em todo o mundo, consequência de doenças como diabetes, hipertensão e o e envelhecimento da população.


“A partir dos 40 anos, os rins vão perdendo 1% da capacidade ao ano. Além também de outras doenças, não tão comuns que podem levar à falência renal. Em Volta Redonda, não foi diferente. Houve aumento de pacientes necessitando de diálise pelo SUS e a Clínica de Diálise de Volta Redonda agora pode atender a essa demanda de novas vagas porque tem equipamentos prontamente disponíveis”, ressaltou.


Os encaminhamentos dos pacientes atendidos pelo SUS são todos feitos através da regulação do estado. A prefeitura inscreve os pacientes nessa fila de regulação, e a clínica mais próxima é referenciada.


Do sonho ao atendimento

A unidade é particular, mas atua em convênio com o SUS. A clínica foi construída em 2016, na gestão anterior do prefeito Antonio Francisco Neto e passou a funcionar no ano seguinte, quando o atual mandatário estava fora do governo. No entanto, mesmo sem estar na prefeitura em 2017, foi novamente Neto o maior incentivador para que os trabalhos na clínica finalmente pudessem começar.


Com as obras físicas concluídas e os equipamentos comprados, faltava à clínica a liberação de documentos sanitários e o reconhecimento por parte do Ministério da Saúde para que o atendimento à população mais carente pudesse ter financiamento via SUS. Desta forma, Neto agiu para conseguir concluir estas duas etapas, usando as boas relações que tinha com o Governo do Estado e o Governo Federal.


Após resolver as questões com a Vigilância em Saúde do Estado, em seu último ato, Neto aproveitou uma visita do então Ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, a Volta Redonda para alinhar o reconhecimento da clínica diante do Ministério da Saúde. Neto, então, conseguiu sensibilizar o ministro ao mostrar a situação dos pacientes renais locais, levando Moreira para almoçar em sua casa. Pouco depois, a clínica teve a garantia do repasse anual destinado à Prefeitura de Volta Redonda, que então faria o pagamento pelo atendimento. Na época, o valor acordado era de R$ 8.253.184,54 para o custeio da nefrologia no município, por meio do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação, do Bloco de Atenção de Média e Alta Complexidade (MAC) Ambulatorial e Hospitalar do Ministério da Saúde.

0 comentário
bottom of page