Buscar
  • Revista Siga

Entrevista com o Presidente da Câmara de Volta Redonda, Sidney Dinho


Eu e Dinho, sempre fomos bons amigos, agora ele assume pela segunda vez em vida parlamentar a Presidência da Câmara Municipal de Volta Redonda a primeira foi em 2007.


Vale e muito uma entrevista e ao fazer o contato e solicitar esse encontro, vi que nada tinha mudado. Solícito, topou na hora. Fui acompanhado da nossa colunista, Lider Comunitária e Presidente da federação das Associações de Moradores de Volta Redonda (FAM-VR), Fátima Martins, que também participou da entrevista. A Revista Siga traz uma conversa, franca com Sidney Dinho, polêmico, corajoso e trazendo boas informações


Uiara Araújo - É seu segundo mandato, o que mudou no Vereador daquela época para os dias atuais?

Sidney Dinho - Na verdade sou a mesma pessoa, só que mais experiente, o que facilita para que possamos conduzir a Câmara em 2022. Estamos entrando no terceiro ano desta pandemia, temos portanto, que tomar diversos cuidados em especial as questões financeiras. O poder Público também foi afetado nas suas arrecadações, e nós temos que ter cautela, muita cautela, no trato com o dinheiro do povo.


UA - E como equacionar, planejar um trabalho no meio de tantas mutações e variantes do vírus?

SD - O poder legislativo tem que funcionar, nós não vamos parar. A Cidade depende das votações que acontecem na Câmara, então desde o meu primeiro dia como Presidente, já comecei a cotar com algumas empresas para abrirmos uma licitação e implantar aqui na Câmara o que está implantado praticamente em todo o país, que é você poder exercer sua atividade de forma remota ou presencial. Vamos trazer para a câmara, por exemplo, o sistema de votação através de painel eletrônico, a Mesa Diretora poderá se reunir com os Vereadores de forma Remota. O que precisamos realmente é nos adequar a situação que estamos vivendo.


UA - A pandemia altera muito a rotina de trabalho de vocês?

SD - Eu sou um homem de muita fé, sou temente a Deus e te falo com toda a minha sinceridade, tenho pedido a Deus para que isso acabe no mundo inteiro. Aqui por exemplo, 60% dos funcionários estão infectados, setores como almoxarifado, não posso nem pedir para abrir, as quatro pessoas que lá trabalham estão infectadas. Vamos nos adequando.


UA - E como fica a rotina da Câmara de Volta Redonda, como ela está funcionando?

SD- Até o início das sessões legislativas, das sessões ordinárias e extraordinárias, nós vamos trabalhar, com uma média de 50% do que a casa poderia fazer. Isso vai nos atrapalhar muito, administrativamente falando, porque temos objetivos a serem alcançados para melhor atender a população. Agora com o início das sessões estou correndo contra o tempo, para que nada altere o dia a dia de Volta Redonda. Que o poder legislativo não seja o responsável por qualquer entrave ou problema que possa afetar a população de nossa Cidade. De forma presencial ou remota, vamos trabalhar.


UA – Como é seu relacionamento com o Prefeito Neto?

SD- Eu sempre tive uma boa relação com o Neto, costumo dizer que nós nos respeitamos, eu tenho esse meu jeito muito franco de ser. Nós falamos aquilo que tem que ser dito, mas eu e o Neto, não temos nenhuma motivação para que aconteça uma inimizade pessoal ou política. Eu nasci na política através do Prefeito Neto, quando ele foi ao batalhão de Volta Redonda, buscar um policial militar para ser candidato, por indicações de alguns amigos, eu fui o escolhido, e já estou no meu terceiro mandato sempre caminhando juntos.


UA - O que Legislativo e Executivo projetam para a Cidade de Volta Redonda em 2022, que é um ano eleitoral, um ano ainda com pandemia?

SD - A última administração, considere-se a pandemia também, deixou a cidade numa situação bem difícil, se não fosse o Governo do Estado abraçar Volta Redonda, ajudando nas questões financeiras, a cidade estaria numa situação bem pior. Mas o que a câmara pôde fazer em 2021 e poderá fazer em 2022 para colaborar nós vamos fazer. Costumo sempre dizer que todo membro do poder legislativo pode ser parceiro do poder executivo, o que não pode haver entre os dois é cumplicidade, não podemos enxergar algo que nos desagrade e nos calarmos por cumplicidade, aí não dá. mas a parceria a harmonia entre os poderes é muito salutar e não impede a independência dos poderes.


UA - Como está a credibilidade da Câmara junto a população de Volta Redonda?

SD- Vocês todos acompanharam na mídia, um cidadão que abordou uma mulher que passava na calçada, puxa para dentro do estacionamento da Câmara, aquilo ali é uma passagem de muitos anos do pessoal que mora no Bairro Nossa Senhora das Graças. Eu não posso simplesmente colocar uma corrente ali e fechar visando a segurança, sem pensar nas pessoas que trabalham, estudam e que usam aquela passagem. Estou falando isso por causa de sua pergunta, nos reunimos com pessoas da população, associações de moradores, lideranças para chegarmos num consenso de qual horário vamos fechar ou abrir essa passagem, para não deixarmos o lugar vulnerável, principalmente nas madrugadas. O político em si já é mal visto, enquanto as pessoas não viram vidraças, é muito fácil atirar pedras, mas quem acompanha de perto o trabalho, quem acompanha nossas redes sociais, vê o que estamos fazendo. Não sou perfeito, não sou dono da verdade e nem da razão, cometemos erros sim. Eu acho que a crítica construtiva é sempre bem-vinda.


UA - Dinho, mas a classe política, também não está muito distante do povo? Não deveria haver um esclarecimento maior de vocês para com a população?

SD - Todas as vezes que eu recebo uma crítica, vou falar por mim, se for de pessoas que não acompanham o meu trabalho, eu percebo pela redação, e dependendo da crítica, eu peço, dê uma passeada nas nossas redes socias, conheça nosso trabalho e as portas de nosso gabinete estão sempre abertas para te receber e você conhecer verdadeiramente nosso dia a dia.


UA - Você buscou muito isso em 2017, eu me lembro.

SD - Foi o que mais enfatizei como Presidente, trazer a população para dentro da Câmara, não estávamos em pandemia. O trabalho de mídia para mim, era dizer que as Segundas, terças e Quintas eram dias de sessões plenárias e que todos deveriam vir e ver as matérias que estavam sendo votadas. E ver as atitudes do Vereador que ela votou, enfim, integrar a população no nosso trabalho. Esse ano por exemplo, no nosso Site, não sei se vou conseguir em razão dessas adversidades da pandemia, é chegar no dia 15 de Fevereiro, dia de instalação do período ordinário. Eu quero essa súmula completa no dia 16 no site da Câmara, para que todos fiquem sabendo tudo o que vai acontecer em nosso plenário e possam acompanhar de preferência comparecendo e assistindo a nossa sessão. E também ainda por conta da pandemia, quero colocar no site, um ícone um link onde você vai acessar uma conta do Youtube que nós já criamos para a Câmara Municipal, nós já temos uma página e uma transmissão mesmo dentro de nossa página. Tudo isso nós dependemos dentro dessas dificuldades fazer a contratação desses serviços.


UA - A classe política já sabe lidar de maneira correta com as redes sociais, já se adaptou ou ainda não?

SD - Quem foi eleito pela população, exerce um cargo público, tem obrigação de usar bem as redes sociais para dar satisfações de seu mandato. Não é todo dia que você consegue a mídia tradicional, nem sempre vai ter um espaço numa revista, emissora de Rádio, Jornal e etc. Mas se você tem o seu canal de Youtube, sua página, seu whatsapp, Instagram, ali você vai alimentar a população de informações, mais de 90% da população, não só políticos fazem isso.


UA - Geração de empregos Presidente, País em recessão, pandemia, inflação, como fazer para gerar empregos?

SD- Nosso País tem uma carga tributária exorbitante, eu fui conversar com o Neto sobre isso e lhe disse, que precisamos flexibilizar para atrair novas empresas, porque você tem uma cartilha, você tem regras para serem cumpridas, porém num momento como esse, você tem que buscar uma alternativa e nessa questão da alternativa, tudo que o Prefeito fizer ele vai depender da Câmara. Eu disse a ele, Prefeito, se for do interesse da cidade, qualquer tipo de flexibilização para quê novas empresas venham ou as que aqui já estão possam fomentar a geração de empregos, nós da Câmara estamos a disposição para estudarmos o que o governo montou e também darmos as nossas sugestões para que isso aconteça.


UA - Na verdade as vezes colocamos os empresários locais em segundo plano, quando existem boas empresas que podem contribuir e muito para a geração de empregos

SD - Eu disse o seguinte ao Neto, como você vai tratar, a Unibrás, por exemplo, que é uma empresa do Sr. Antônio Cardoso, empresário tradicional na Cidade de uma forma diferente que uma empresa do mesmo ramo que quer se estabelecer aqui. Então se vamos flexibilizar para quem está vindo trabalhar, vamos primeiro prestigiar quem aqui já trabalha.


UA - E o seu ano de 2022, da metade do ano para a frente já vamos respirar eleições e você o que pretende?

RS- Eu nunca havia pensado em disputar uma eleição estadual em 2018 eu disputei como candidato a Deputado Estadual, tive quase treze mil votos e desde então me tornei o primeiro suplente do Patriotas. Há mais de um ano a Executiva Estadual do Patriotas, meu Partido, vem construindo uma nominata para disputar a eleição para Deputado Federal, em uma das reuniões meu nome foi citado, eu dependo de aprovação em convenção, mas quando me chamam para esse tipo de desafio, não me acovardo, vou encarar, hoje sou pré-candidato a Deputado Federal e se meu nome passar na convenção vamos encarar essa campanha com a cara e a coragem como sempre fizemos.


Nesse momento da entrevista, nossa colunista, líder comunitária e presidente da Federação das Associações de Moradores de Volta Redonda, faz uma pergunta ao presidente da Câmara Municipal de Volta Redonda, Sidney Dinho.


Fátima Martins - Sempre respeitei muito seu trabalho Dinho, quero que você fale sobre parceria com vereadores e como você vê as associações de moradores? Existe algo concreto para uma participação mais efetiva nossa, aqui dentro da Câmara ou os vereadores nas comunidades?

Sidney Dinho - Fátima, o respeito é recíproco, tenho três pilares para seguir, acabar com essa cultura de que presidente de associação neutraliza vereador e vereador neutraliza o presidente. Nós fomos eleitos, somos remunerados, somos funcionários públicos do povo, por outro lado sei que quem preside uma associação de moradores, carrega um fardo enorme sem remuneração. Não existe na minha visão, estamos em 2022, de diferenças pessoais atrapalharem. Segundo, assim como quero trazer às instituições, tipo CDL, Rotary, Associação comercial e outras para dentro da câmara, quero trazer a FAM, as associações de moradores para que possamos discutir, como o poder legislativo pode caminhar junto com vocês.


Uiara Araújo - Dinho o que você quer dizer a população de Volta Redonda?

Sidney Dinho - Quero pedir que todos se cuidem e sigam os protocolos de prevenção a esse vírus terrível. Não se cuidem só por vocês, se cuidem por seus familiares, entes queridos. Já temos muitas famílias sofrendo por causa desse período. Tenham cuidado ao sair às ruas. Dizer para Volta Redonda, que sou filho desta terra e jamais vou me esconder atrás de qualquer condição para poder defender a população de minha cidade, nunca vou me omitir ou me acovardar. Que a Câmara Municipal de Volta Redonda está com as portas abertas a qualquer pessoa de nossa população e não faltará luta por uma melhor qualidade de vida para vocês.

0 comentário